Ultimas Notícias

8/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Negociação com fabricante de tecnologia amplia desconto nas compras do governo

Ministério da Economia e Qlik atualizaram acordo corporativo que prevê catálogo com o limite de preços a serem praticados nas licitações. Percentual de redução, que era de 10%, passou para até 29%. Previsão de economia anual é de R$ 11,4, milhões

O acordo corporativo firmado entre a Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia e a empresa Qlik, fornecedora de produtos e serviços de licenciamento de software para a administração pública federal, acaba de ser atualizado e resultou em percentuais de desconto ainda maiores nas licitações. Ante a média anterior, de 10%, a redução de preços agora passa a ser de 19% a 29%, dependendo do item contratado. O termo aditivo do acordo foi publicado de segunda-feira (20) [https://www.in.gov.br/web/dou/-/extrato-de-termo-aditivo-368422454] no Diário Oficial da União.   

Desde 2019, o governo federal utiliza acordos corporativos para padronizar os preços praticados nas licitações de tecnologia e enxugar custos para os cofres públicos. A medida é aplicada em todas as licitações dos órgãos do Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação (Sisp) e já extrapolou a administração pública federal.   

“Este é um modelo bem-sucedido que, além de beneficiar estados e municípios quando realizam suas contratações de produtos e serviços de tecnologia, também já começa a atender outros Poderes”, ressalta o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Caio Mario Paes de Andrade. “Os acordos consideram o poder de compra do governo como um todo e os órgãos, pequenos ou grandes, obtêm o benefício do menor preço em função da escala, o que resulta em economia e aceleração da transformação digital”, completa.   

No acordo atual com a Qlik, além dos órgãos do Sisp, passam a ser beneficiados também 18 empresas públicas federais dependentes do Tesouro Nacional, como o Serpro. O catálogo resultante do acordo anterior continha uma listagem de 22 itens e o de agora chega a 169 itens. A previsão de economia anual, devido à redução de preços praticados com a Qlik, é de R$ 11,4 milhões.  

Para Olímpio Pereira, ‘country manager’ da Qlik, a atualização do acordo corporativo, com a ampliação do catálogo em mais de 700% em número de produtos, sinaliza o compromisso da empresa em fornecer uma plataforma moderna e em garantir que os dados sejam utilizados para análises em tempo real, baseados em inteligência artificial, de forma colaborativa e facilitando a tomada de ações. “Temos o objetivo de aumentar cada vez mais a presença da Qlik na administração pública, a partir da expansão deste modelo de contratação por diversos órgãos. Por isso, optamos por oferecer descontos que permitam um acesso maior ao nosso catálogo”, afirma.  

O novo catálogo de produtos e serviços Qlik já está publicado na plataforma GOV.BR [https://www.gov.br/governodigital/pt-br/contratacoes/catalogo-de-solucoes-de-tic]. 

Modelo para outros Poderes e entes federados  

Hoje, o modelo de acordos corporativos é aplicado às maiores fornecedoras de tecnologia ao governo federal. Já foi firmado com: Microsoft, Oracle, VMware, RedHat, IBM, Adobe e Broadcom, além da Qlik.   

Dezoito órgãos fora do governo já aderiram ao da Microsoft. A saber: Supremo Tribunal Federal (STF), Câmara dos Deputados, Estado de Goiás, Estado de Minas Gerais, Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia da Bahia (SEMIT-BA), Secretaria de Fazenda de Alagoas (SEFAZ/AL), Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE/MG), Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional do Rio Grande do Sul (Metroplan-RS), Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), de Mato Grosso do Sul (MPMS) e de Santa Catarina (MPSC), Prefeitura de Vitória (ES), Departamento de Trânsito de Pernambuco (DETRAN-PE), Tribunal Regional Federal da 3ª Região (que atende os estados de Mato Grosso do Sul e São Paulo), Tribunais de Justiça de São Paulo (TJSP), de Mato Grosso (TJMT) e do Pará (TJPA), Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU). 

Postar um comentário

0 Comentários