Ultimas Notícias

8/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Onça-pintada do Parque Estadual de Dois Irmãos completa 11 anos de idade




O Parque Estadual de Dois Irmãos celebra, nesta sexta-feira (07), o aniversário de um dos mais emblemáticos moradores do equipamento e símbolo da biodiversidade brasileira. Pelé, uma onça-preta (Panthera onca), completa 11 anos, com muita energia e vitalidade. Para celebrar a data, a equipe técnica do zoológico vai oferecer uma tarde bem especial ao felino, com enriquecimentos ambientais que o tirem da rotina e estimulem ainda mais o seu bem-estar. O animal, que nasceu no parque, é muito querido pelo público e um xodó dos veterinários, biólogos e tratadores da unidade, gerida pela Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade.  

A coordenadora da Divisão de Veterinária e Biologia do Parque, Fernanda Justino, conta que a chegada de Pelé ao Parque foi inesperada, uma boa surpresa que encheu a equipe de alegria. “Na época, acertamos de receber a onça-pintada Jaboticaba vinda do zoológico de Salvador. Lá, ela já havia passado por duas gestações, mas os filhotes não tinham vingado. Quando chegou aqui, trazia Pelé na barriga, mas sem ninguém saber. Trinta dias depois, foi a surpresa. Nascia um filhote lindo, que carinhosamente hoje chamamos de Pelé”, explica.

O felino nasceu com as mesmas características físicas da mãe. Trata-se de uma onça-pintada com a pelagem escura, aparentemente preta. Essa cor de pelagem se deve a um fenômeno conhecido por melanismo – um grande acúmulo do pigmento “melanina”. Embora possa parecer  que ele tenha pelo de cor preta, as rosetas que caracterizam a espécie podem ser vistas na pele do animal de acordo com a luminosidade no ambiente. “Independente da cor, esses felinos podem cruzar e daí nascer filhotes. A possibilidade de nascer uma onça-preta é bem menor do que o de uma onça-pintada, cerca de 6%. O que torna Pelé ainda mais especial”, diz Fernanda.

A onça-pintada é o maior felino das Américas e o terceiro maior do mundo, perdendo em tamanho apenas para o leão e o tigre. É um predador de topo de cadeia encontrado tanto em florestas como em ambientes abertos. Precisa de extensas áreas naturais bem conservadas para sobreviver. Por isso mesmo, é uma espécie altamente ameaçada de extinção, especialmente no bioma Mata Atlântica. No Brasil, a espécie também tem como habitat natural a floresta amazônica, Pantanal, Cerrado e Caatinga.

Postar um comentário

0 Comentários