Ultimas Notícias

8/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Jornada Lei Maria da Penha destaca avanços e perspectivas no combate à violência contra mulheres


Nesta terça-feira (23), teve início a 16ª Jornada Lei Maria da Penha, em Brasília (DF). A iniciativa é do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e contou com a participação de magistrados e representantes da sociedade civil para celebrar o aniversário da sanção da Lei Maria da Penha (Lei federal nº 11.340/2006) - além de discutir os avanços e as expectativas no combate a violência contra as mulheres. Na ocasião, a coordenadora-geral de Articulação Nacional de Combate à Violência contra as Mulheres, Renata Braz, representou o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH). A gestora destacou que o enfrentamento à violência contra a mulher deve contar com a capacitação permanente de servidores, serviços e iniciativas públicas. “Precisamos olhar de maneira efetiva para as políticas públicas e buscar alternativas eficientes para que elas cheguem em quem realmente precisa”, refletiu. 

Para Renata Braz, também é importante sensibilizar os servidores da segurança pública na proteção de mulheres vítimas de violência. “A falta de capacitação reflete a possibilidade de revitimização da mulher e isso afeta toda a rede de atendimento. Por isso, a formação contínua de servidores que lidam com os agressores e com as vítimas pode colaborar para a mudança de cenário em relação à violência contra a mulher”, enfatizou, destacando a Operação Maria da Penha, fruto da articulação entre o MMFDH e o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP). Renata afirma ainda que os dados relacionados à violência contra mulheres precisam de uma atenção especial. “Trabalhamos para desenvolver um diagnóstico assertivo dos dados de violência doméstica e familiar no Brasil. Mesmo assim, ainda há muito a ser feito nesse sentido. O registro unificado de dados e de informações é essencial para uma atuação estratégica no combate à violência e na devida punição dos agressores”, ressaltou. 

Defesa 

Em sua fala, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Reynaldo Soares da Fonseca, parabenizou a iniciativa do CNJ e reforçou a importância da Jornada. “É necessário revisitar os dados e analisar os resultados alcançados nesses 16 anos de efetiva atuação da Lei Maria da Penha. Ainda há muito o que ser feito, porém, acredito na perspectiva de luta por uma sociedade cada vez mais livre, justa e fraterna”, declarou.  Em concordância com a fala do ministro, a representante do Observatório dos Direitos Humanos do Poder Judiciário, Luiza Brunet, destacou a denúncia como fator determinante no combate à violência. “Incentivar as mulheres a buscar informação e entender sobre seus direitos em casos de violência doméstica faz parte dessa luta. 

A denúncia ainda é o melhor caminho para que políticas públicas alcancem o objetivo principal, que é defender as mulheres de todo e qualquer tipo de abuso”, defendeu.  O evento contou com a participação de magistrados e magistradas do Poder Judiciário, servidoras e servidores e membros da sociedade civil. Durante o dia, temas como violência psicológica e desafios para a aplicação da Lei Maria da Penha estiveram entre as pautas do encontro. Ao final, foi produzida uma carta com propostas de ação para aprimorar a Política Judiciária Nacional de enfrentamento à violência contra as mulheres. 

Leia também:

Saiba onde mulheres em situação de violência podem encontrar ajuda

Brasil tem mais de 31 mil denúncias de violência doméstica ou familiar contra as mulheres até julho de 2022

Canais de denúncias

Sob a gestão do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), o Ligue 180 é um canal de atendimento exclusivo para mulheres, em todo o país. Além de receber denúncias de violência, como familiar ou política, o serviço compartilha informações sobre a rede de atendimento e acolhimento à mulher em situação de violência e orienta sobre direitos e legislação vigente. 

O Ligue 180 pode ser acionado por meio de ligação, site da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos (ONDH)aplicativo Direitos Humanos Brasil, Telegram (digitar na busca “Direitoshumanosbrasil”) e WhatsApp (61-99656-5008). O atendimento está disponível 24h por dia, incluindo sábados, domingos e feriados. 

Postar um comentário

0 Comentários