Ultimas Notícias

8/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Dores, sensação de formigamento, além da perda de força muscular e sensibilidade, podem ser sinais de estenose lombar



Ortopedista do SEOT esclarece sobre causas, diagnóstico e tratamento da doença que pode levar à síndrome da cauda equina, que ganhou repercussão devido à cirurgia feita, recentemente, pelo cantor Wesley Safadão para evitar o caso

Dores, sensação de formigamento, perda de força muscular e de sensibilidade, diminuição de reflexos nos membros inferiores (regiões lombar, dos glúteos, coxas e panturrilhas), principalmente ao andar, subir escadas ou apenas ficar em pé. Estes são alguns dos sintomas da estenose lombar, que geralmente ocorre pelo estreitamento ósseo do canal medular. O problema decorre do aumento de produção óssea em algumas regiões das vértebras, devido a fatores clínicos, segundo o médico Thiago Pedro, ortopedista especialista em coluna vertebral, com atendimento no SEOT (Santa Efigênia Ortopedia e Traumatologia), em Caruaru, Agreste de Pernambuco. A doença pode levar ao desenvolvimento da síndrome da cauda equina, que ganhou repercussão devido à cirurgia feita, recentemente, pelo cantor Wesley Safadão para evitar o caso.

Ele passou por cirurgia no início de julho, por causa da evolução de uma hérnia de disco, decorrente de questões congênitas (desde o nascimento). O cantor foi, inicialmente, diagnosticado com hérnia de disco, entre a terceira e a quarta vértebra lombar, com estreitamento do canal vertebral e compressão de estruturas neurológicas.

A dor ocasionada pela estenose lombar ficou conhecida como claudicação (porque o imperador Romano Claudius tinha dor e perda de força nas pernas ao caminhar) e foi classificada em dois tipos: claudicação neurogênica (quando há a compressão dos nervos) e vascular (nas artérias). O incômodo somente é amenizado ao sentar-se e ao flexionar a coluna, aliviando a região lombar. O médico ortopedista alerta que casos mais severos da doença causam a síndrome da cauda equina, com a perda do controle das funções urinária e fecal, ocasionando a necessidade de intervenção imediata. 

A estenose lombar pode ter causas congênitas ou adquiridas com a idade/envelhecimento e o desenvolvimento de doenças degenerativas que afetam a coluna vertebral (hérnias de disco; doença discal degenerativa; espondilose; doença de Paget; osteoartrite; espondilolistese com compressão da cauda equina; artrite reumatóide; espondilite anquilosante e outras). Trauma na região lombar (central, lateral, foraminal e extra-foraminal), assim como esportes ou hábitos que sobrecarregam a musculatura das costas, são considerados fatores de risco. 

*Diagnóstico e Tratamento*
O médico ortopedista é habilitado para dar o diagnóstico da estenose lombar, a partir de exames de imagem, a exemplo de raio-X e de ressonância magnética, que auxiliam no caso de se descartar a possibilidade de outras doenças. "Avaliação clínica adequada do histórico da doença e exames de flexão também são considerados para fechar o diagnóstico", como explica o ortopedista Thiago Pedro.

O tratamento indicado, segundo o especialista, varia de acordo com o grau e gravidade dos sintomas da estenose, podendo ser conservador (a exemplo da fisioterapia, para fortalecimento da musculatura) e evoluir para cirúrgico (caso a resposta ao tratamento conservador não seja suficiente). "Em quadros de dor aguda, o repouso temporário é recomendado, com retorno em breve para atividades físicas leves e/ou de baixo impacto, como caminhada ou ciclismo", destaca o médico.

Postar um comentário

0 Comentários