Ultimas Notícias

8/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Prefeitura de Limoeiro busca soluções pontuais e preventivas em relação ao Rio Capibaribe



A Prefeitura de Limoeiro, por meio da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Agrícola, Meio Ambiente, Indústria e Comércio, iniciou, na tarde dessa quarta-feira (22), o recolhimento dos peixes mortos no trecho urbano do Rio Capibaribe. No primeiro dia de trabalho, a equipe da Infraestrutura recolheu 19 sacos. A atividade foi retomada na manhã desta quinta-feira (23) e seguirá pelos próximos dias. Ela integra uma série de ações planejadas pela gestão municipal na busca de soluções pontuais e preventivas.

Ainda na manhã da quarta, o prefeito Orlando Jorge, o secretário de Desenvolvimento Agrícola, Meio Ambiente, Indústria e Comércio, José Félix, e o presidente da Sociedade de Apoio ao Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Amatur), Ricardo Rodrigues, visitaram o local para o alinhamento das execuções em parceria. As causas para a mortalidade dos peixes estão sendo investigadas pela Companhia Pernambucana de Recursos Hídricos – Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH). Uma equipe técnica do órgão visitou a cidade de Limoeiro para coletar o material a ser destinado à análise técnica.

“Nós fizemos a coleta do material, dos peixes mortos, e estamos levando para necropsia, no Recife, para que os peritos possam determinar qual a causa da mortandade de tantos peixes. Em até vinte dias, a gente tem o resultado da necropsia e mais dez dias para determinação técnica da causa da degradação ambiental”, explicou Elba Borges, agente de fiscalização da CPRH. Paralelamente, a ONG SOS Mata Atlântica também está apoiando o trabalho de análise da água do rio.

Também acompanhando as investigações, o presidente da Amatur ressaltou a importância da análise técnica antes de qualquer julgamento. “Ainda é muito cedo para se ter uma conclusão. Ficou acordado com a equipe do CPRH que nos próximos virá uma equipe do laboratório para também fazer algumas coletas da água e daí poder constatar se há um contaminante na água do rio que possa ter causado a morte ou se, de fato, é o oxigênio dissolvido”, comentou.

Rodrigues disse ainda que, “se for a questão da quantidade de oxigênio na água”, será analisado o que provocou a morte dos peixes. “Durante todo o ano, a gente já detectou uma baixa quantidade de oxigênio dissolvido nesse trecho urbano, justamente devido à poluição e à presença das baronesas, então todos esses fatores fazem com que, durante todo o ano, a gente tenha uma baixa quantidade de oxigênio dissolvido na água”, completou.

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Agrícola, Meio Ambiente, Indústria e Comércio tem dado total apoio ao trabalho de análise das coletas dos materiais e investigação do fato. Também tem buscado parcerias com órgãos estaduais e organizações não governamentais que atuam no setor de preservação para as soluções imediatas e preventivas. Com relação à obra da nova ponte do município, os setores jurídico e de infraestrutura seguem atendendo às solicitações de documentos necessários para a correta execução dos serviços.

“Estamos investigando. Coletamos material e enviamos para o CPRH, e estamos aguardando os estudos para realmente ver o que aconteceu para essa mortandade dos peixes. A equipe de Meio Ambiente, juntamente com a equipe de Infraestrutura, olhou ao longo do rio para verificar a presença de algum indício de produto tóxico, mas, visualmente, não constatamos nada”, detalhou o secretário da pasta de Meio Ambiente de Limoeiro, José Félix. “Vamos aguardar os estudos para dar mais informações”, completou.

Responsável pela coordenação do trabalho de limpeza, o secretário executivo de Obras Urbanas, Edvaldo Correia (“Bau da Capoeira”), lamentou a grande quantidade de lixo jogado às margens do Rio Capibaribe e no próprio rio. “Estamos dando nossa contribuição. E um dos maiores problemas que temos aqui é a grande quantidade de lixo descartado no Rio Capibaribe. A comunidade, até por falta de informação, acaba jogando lixo nos rios, canais e áreas ribeirinhas. Hoje não adianta procurar culpados. Estamos aqui para dar solução”, destacou Edvaldo. Além dos sacos de peixes, foram coletadas duas caçambas de lixo das margens do rio.

Postar um comentário

0 Comentários