Ultimas Notícias

8/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Ericsson constrói digital twins para redes 5G no NVIDIA Omniverse




Plataforma de simulação realista está sendo usada para desenvolver redes 5G, melhorando recursos e serviços

A fabricante de equipamentos de telecomunicações com sede em Estocolmo, Ericsson, está combinando décadas de experiência em simulação de rede de rádio com o NVIDIA Omniverse Enterprise, uma simulação de mundo virtual em tempo real e plataforma de colaboração para fluxos de trabalho 3D. No NVIDIA Omniverse, a Ericsson está construindo digital twins em escala urbana para ajudar a simular com precisão a interação entre as células 5G e o ambiente para obter o máximo de desempenho e cobertura.

Se uma árvore virtual cair e atingir uma antena 5G em Estocolmo, ela faz barulho em Chicago? Graças à Ericsson, a resposta é sim. Tudo, desde a localização das árvores até a altura e a composição dos edifícios é crucial porque eles impactam sinais sem fio 5G em redes que servem smartphones, tablets e milhões de outros dispositivos conectados à internet. A implantação de redes 5G está criando novos desafios e, com mais de 15 milhões de microcélulas e torres a serem implantadas globalmente por operadoras de rede nos próximos cinco anos, esse não é um empreendimento pequeno.

 

O desafio do 5G

O 5G permite uma grande variedade de novos casos de uso, desde IoT e manufatura até carros autônomos e telessaúde. As redes que atendem a esses casos de uso operam em ambientes muito diferentes. Novos tipos de dispositivos entrarão nas redes e o número de dispositivos crescerá em ordens de magnitude nos próximos anos. Esses fatores tornam o projeto e o desenvolvimento de produtos e redes 5G muito complexos.

Sem uma abordagem de digital twin, a interação entre os transmissores de rádio, o meio ambiente e os humanos e dispositivos que estão em movimento teve que ser entendida com menos detalhes, e muitos recursos tiveram que ser testados em campo somente depois que as redes já estavam construídas.

“Antes do Omniverse, a cobertura e a capacidade das redes eram analisadas simplificando muitos aspectos das interações complexas, como os fenômenos físicos e os aspectos de mobilidade”, conta Germán Ceballos, pesquisador da Ericsson. “Agora seremos capazes de simular implementações e recursos de rede em uma escala altamente detalhada usando o Omniverse”.

A criação de um digital twin de ponta-a-ponta na escala da cidade resulta em ciclos de desenvolvimento mais rápidos, melhor otimização de rede e, em última análise, redes melhores e mais rápidas, pois oferece insights rápidos sobre quais produtos instalar e onde.

 

Insights baseados em GPU

A Ericsson e a NVIDIA firmaram uma parceria estratégica em 2019 com o objetivo de fazer uma polinização cruzada de tecnologias e desafios entre os dois líderes em tecnologia em seus respectivos domínios.

A comunidade 3D foi historicamente fragmentada ao longo de vários formatos e cadeias de ferramentas proprietários e concorrentes. Isso cria graus inaceitáveis de bloqueios e habilidades limitadas para se estender a novos casos de uso de simulação. “Um desafio que muitas empresas e até mesmo profissionais enfrentam até hoje vem desse tipo de bloqueio, que visando proteger a tecnologia, acabava a limitando sem que isso fosse percebido a época”, comenta Marcio Aguiar, diretor da NVIDIA Enterprise na América Latina.

A plataforma NVIDIA Omniverse fornece tecnologias-chaves que permitem à Ericsson modelar com precisão o desempenho da rede considerando condições ambientais dinâmicas. O ray tracing acelerado do NVIDIA RTX em tempo real permite que os pesquisadores vejam representações precisas da qualidade do sinal em todos os pontos da cidade, em tempo real, o que não era possível antes. Isso significa que a Ericsson pode experimentar seus produtos de telecomunicações, como a formação de feixes, e explorar seu impacto de forma interativa e instantânea.

Além disso, com os novos recursos da plataforma Omniverse, como o Omniverse VR, os engenheiros de rede poderiam em breve colocar um fone de ouvido de realidade virtual e explorar virtualmente qualquer parte de qualquer modelo, em escala 1:1, ajustando parâmetros e antena, e literalmente "vendo" os efeitos – coisas que não são visíveis na vida real.

Para a Ericsson, o digital twin Omniverse oferece insights universais de telecomunicações, ciclos de desenvolvimento mais rápidos e a capacidade de alcançar uma rede de ponta a custos mais baixos.

Postar um comentário

0 Comentários