Ultimas Notícias

8/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

MPPE vem atuando para que os Boletins Epidemiológicos da Covid-19 apresentem os dados desagregados por raça, cor e etnia. Saiba a importância




Com os dados desagregados por raça, cor e etnia é possível adaptar as iniciativas adotadas pelo poder público às características da pandemia em cada município, com melhores respostas à emergência de saúde. O correto preenchimento do quesito raça/cor/etnia, por profissionais de saúde, nos formulários de notificação da Covid-19 e a divulgação dos dados desagregados nos boletins epidemiológicos, pelas Secretarias de Saúde, consistem nos dois objetivos de atuação na Capital, Região Metropolitana (RMR) e interior.

A atuação do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), por meio do Grupo de Enfrentamento ao Racismo (GT Racismo) e o Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça de Defesa da Saúde (Caop Saúde), já resulta em publicação dos Boletins Epidemiológicos da Covid-19 da Secretaria Estadual de Saúde e das Secretarias dos municípios como Recife, Olinda, Jaboatão, Cabo de Santo Agostinho, Santa Cruz do Capibaribe, Caruaru e Garanhuns.

As Promotorias de Justiça de São Lourenço da Mata, Arcoverde e Igarassu já estão em articulação com as Secretarias municipais, com a expedição de recomendações do MPPE para os municípios. No Estado de Pernambuco, no Recife, Olinda e Petrolina, o MPPE atuou em conjunto com a Defensoria Pública do Estado.

A Coordenação do GT Racismo junto com Caop Saúde reforçaram e vem reforçando a importância da iniciativa diretamente com promotores de Saúde, em consonância, inclusive, com o exemplo da Secretaria Estadual de Saúde, que vem publicando os boletins epidemiológicos com os dados de desagregados em conformidade com a obrigação prevista na legislação e normativa nacional, além da Resolução nº01/2020 da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), que no item 74 recomenda incluir nos registros de pessoas contagiadas, hospitalizadas e falecidas pela pandemia da Covid-19 dados desagregados de origem étnico-racial, gênero, idade e deficiência. 

Contudo, a aproximação dos dados com o real depende da produção da informação, por isso a importância do preenchimento pelos profissionais de saúde do quesito raça/cor/etnia nos formulário de notificação de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), disponíveis no site do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde de Pernambuco (Cievs-PE), cievs.com.

Neste dia da Consciência Negra em contexto de pandemia, o MPPE escolheu abordar a temática sobre a Covid-19 e a população negra, para falar sobre vida. Nossa campanha já está nas nossas redes sociais. Ainda convidamos para assistir o Programa Diálogos com o MPPE, neste sábado (21), às 13h30, na TVU, que conta com a participação do secretário Estadual de Saúde de Pernambuco, André Longo, a coordenadora do GT Racismo da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), professora e doutora em saúde pública Edna de Araújo, e a promotora de Justiça de Jaboatão Isabela Bandeira. Os três convidados abordaram a temática sobre a importância dos dados desagregados para respostas à emergência de saúde de forma mais eficaz, a partir da percepção dos grupos mais vulneráveis à infecção e as situações de vulnerabilidades sociais já existentes. Após a exibição na grade da TVU, o programa fica disponível no canal TV MPPE do Youtube, para acesso a qualquer tempo.

Para saber mais sobre o tema o jornal do GT Racismo Edição nº49 de Novembro de 2020 se encontra disponível, no hotsite do GT Racismo do MPPE, como também no site do MPPE, aba Comunicação, em Publicações.

Postar um comentário

0 Comentários