Propaganda

Últimas Notícias

Como o marketplace pode alavancar vendas dentro e fora do e-commerce


Com um faturamento superior a R$ 50 bilhões em 2018, segundo dados da Ebit|Nielsen, e a entrada de novos consumidores no universo das compras online – cerca de 10 milhões somente no ano passado, o setor de e-commerce representa uma grande oportunidade para quem quer empreender e crescer no Brasil em futuro próximo. Grande parte do bom momento do comércio eletrônico brasileiro se deve ao modelo de operação adotado pelo mercado: o marketplace. Uma iniciativa que representa uma importante fonte de receita tanto para os pequenos e médios players quanto para os grandes varejistas.

Ao estar inserido em um marketplace, o lojista consegue capitalizar as mercadorias para o público-alvo e atendê-lo com eficiência e rapidez, seja por meio de uma estratégia de nicho ou de cauda longa. Como modelo de negócios, o marketplace permite agregar categorias de produtos, ampliar a diversidade de ofertas; criar diferenciais competitivos; reforçar a imagem da marca e rentabilizar com a base de clientes a partir de uma experiência de compra mais completa. Tudo isso sem a necessidade de investir em uma estrutura própria.

Os aspectos tributários e logísticos ainda são grandes desafios tanto para os proprietários de plataformas de marketplaces quanto para os sellers que trabalham dentro desse modelo de negócios. No entanto, é um caminho que deve ser analisado como inevitável na busca por novos públicos e novas fontes de receita. Entender esse processo é fundamental para planejar uma operação em marketplace. Quais são os investimentos necessários? Como montar o meu time? Como definir o melhor sistema de comissionamento? Diante do meu modelo de negócios, Vale mais a pena ser um marketplace ou um seller?

A visão e atuação dos shopping centers em marketplaces também são aspectos importantes para esse debate no setor, com destaque para a estratégia utilizada no convencimento de lojistas físicos e os possíveis impactos para toda a cadeia produtiva. A Cyrela Commercial Properties, empresa que administra e comercializa imóveis comerciais, é um exemplo de como esse movimento vem acontecendo no Brasil. A companhia desenvolveu há quase dois anos uma plataforma de marketplace voltada para os que operam em seus seis complexos de compras situados nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Goiás.

Esse espaço permite que centenas de varejistas, de diferentes segmentos, possam usufruir de um canal exclusivo de vendas webdotado de tráfego de usuários e estrutura simplificada. Embora adquirido online, todos os itens são retirados pelo consumidor na respectiva loja física. Usar loja ou lockers e envio no mesmo dia já são algumas das táticas aplicadas pelos marketplaces que buscam se diferenciar da concorrência. E no meio desse processo surgem ainda os aplicativos de entrega rápida como James Delivery, Rappi e DTudo que oferecem uma solução integrada de e-commerce para lojas físicas em shopping centers.

Os impactos dessas novas formas de consumo deverão nortear, cada vez mais, a gestão dos marketplaces no Brasil. Os dados falam por si só. O volume de vendedores atuando em marketplaces no Brasil cresceu 90,7% no ano passado, segundo o estudo “Panorama dos Marketplaces no Brasil”.

Para empresas com atuação também no varejo físico, especialmente em shopping centers, ao atuar em marketplaces, além da vantagem do domínio da geolocalização, elas podem oferecer entregas expressas, um recurso cada vez mais valorizado pelo cliente. As particularidades do mercado de marketplace como modelo de negócios e a movimentação dos shopping centers perante a expansão desse modelo de operação serão a base da discussão da Marketplace Training Session (dia 31/5, às 13h, na Conference Arena, no VTEX DAY).

Junto com empreendedores e executivos de médias e grandes empresas de e-commerce, incluindo Thiago Alonso de Oliveira, CEO na JHSF Participações; Pedro Daltro, CEO da Cyrella CCP e Laureane Cavalcanti, diretora Executiva de Marketing e Comunicação da SONAE Sierra Brasil, vou analisar o cenário atual do setor de marketplace no Brasil e no mundo, identificando os principais players e sellers, e refletir sobre os novos modelos de marketplace (B2C, C2C e B2B).

As sessões de treinamento serão a grande atração do segundo dia do VTEX DAY. Elas foram pensadas para atender aos diferentes perfis na tomada de decisão.

O VTEX DAY, maior evento de inovação do mundo, está chegando! Com mais de 15 horas de conteúdos inéditos, distribuídos em dois dias de evento, 170 marcas patrocinadoras e público superior a 15 mil pessoas, a 7ª edição acontecerá no São Paulo Expo, espaço com mais de 43 mil m².

No app oficial do VTEX DAY, disponível na App Store e Play Store, é possível checar a programação atualizada sobre o evento. Planeje sua agenda e aproveite o máximo desse encontro de negócios. A agenda completa também pode ser acessada no site vtexday.vtex.com

Nenhum comentário

Para comentar neste Blog você deve ter consciência de seus atos, pois tudo que aqui é postado fica registrado em nossos registros. Tenha em mente que seu respeito começa quando você respeita o próximo. Lembre-se que ao entrar aqui você estará em um ambiente bem descontraído e por isso contribua para que ele sempre fique assim. Não esqueça que os comentários são moderados e só iram ao ar depois de uma analise e se passarem por ela iremos publicar, caso não ele será deletado. Para os novos comentários via Disqus ou Facebook a moderação não se faz necesária, já que o nome do usuário fica salvo nos comentários.
Obrigado pela visita e volte sempre.