Ultimas Notícias

8/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Aena Brasil reforça fiscalização do uso de máscaras em seus aeroportos, em conformidade com normas da Anvisa



Em atendimento às alterações da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) n° 456, de 17 de dezembro de 2020, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Aena Brasil está adotando novas normas para a fiscalização do uso de máscaras nos seis terminais que administra. Treinamentos estão sendo feitos com todos os colaboradores dos aeroportos para que orientem passageiros e trabalhem coordenadamente com as companhias aéreas que atuam nos aeroportos da concessionária.


Nas alterações da RDC, ficou determinado que os passageiros devem utilizar máscaras de uso profissional, como as cirúrgicas, a N95 e a PFF2, desde que não tenham válvula de expiração. Também estão permitidas máscaras artesanais, confeccionadas com duas ou mais camadas de tecido. A exigência vale para áreas de acesso restrito aos viajantes, incluindo salas de embarque, aeronaves e os veículos utilizados para o deslocamento durante o embarque ou desembarque. Está proibida, portanto, a utilização, nestas áreas, de máscaras faciais de acrílico ou plástico, máscaras dotadas de válvulas de expiração, lenços, bandanas de pano, protetor facial (face shield) isoladamente e máscaras de uso não profissional confeccionadas com apenas uma camada de proteção.


As peças artesanais (caseiras), de tecido, devem ter pelo menos duas camadas e seguir os requisitos previstos na ABNT PR 1002. Os tipos de máscaras permitidos em voos podem ser conferidos no site da Anvisa (www.gov.br/anvisa).


É importante ressaltar que o uso da máscara é obrigatório em toda a área aeroportuária e que estas devem ser utilizadas ajustadas ao rosto, cobrindo o nariz, queixo e boca. Tanto no terminal quanto dentro da aeronave, só será permitida a retirada da peça de proteção para hidratação e alimentação. 


A Aena Brasil ainda reforça que está tomando todas as medidas cabíveis para evitar a disseminação do novo coronavírus ao seguir em seus terminais os protocolos recomendados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e pela Anvisa. 


Os detalhes da alteração da RDC nº 456 podem ser acessados no site do Governo Federal.

Postar um comentário

0 Comentários