Propaganda

Últimas Notícias

Limoeiro registra surto de Virose sem identificação

Foto internet


Nos últimos meses o estado de pernambuco tem registrado surto de Virose sem identificação (Chikungunya) e aqui em Limoeiro não foi diferente. Nas mídias pernambucana e mundial o Zika Vírus também ganhou destaque com os casos de Microcefalia registrado em todo nordeste, mas no caso dos limoeirenses o que mais preocupa é o surto de Virose sem identificação (Chikungunya) que tem deixado a emergência do Hospital Regional José Fernandes Salsa lotada e todos os dias novas pessoas são infectadas pelo mosquito aedes aegypti que é o mesmo transmissor da dengue, da zika e da Chikungunya. Nos relatos de pessoas infectadas a nossa reportagens é unânime as dores nas articulações, ânsia de vomito e inchaço. A falta de apetite também é outro fator agravante já que o mesmo impede que as pessoas se alimentem bem e consigam criar anti-corpos para combater o vírus.

Os primeiros dias são os mais cruciais relatam pessoas que foram infectadas pelo vírus, mas há relatos de que mesmo após um mês pessoas ainda sofrem o reflexo da doença. Já teve pessoas que pegaram a doença mais de uma vez e a população preocupada com este surto pede a prefeitura que a mesma possa voltar a colocar o carro fumacê nas ruas e distribuir o larvicida, afinal a mais de 15 dias o mesmo não era distribuído e é ele quem ajuda no combate ao mosquito. Uma verdadeira operação esta sendo planejada para acontecer em Limoeiro  e a mesma será intensificada nos bairros onde os índices de infecção são maiores. Já foram registrado aqui na Princesa do Capibaribe cerca de 1.600 (Mil e seiscentos) casos de dengue, onde 1.200 foram registrado através de exames clínicos.

Nos mercados e na feira livre já é notório o aumento na venda de acerola e de coco verde. Segundo o senhor Luis Francisco, proprietário do Mercadinho Horta Fruta a venda destes dois itens superou a expectativas, pois ele apenas vendia acerola aos sábados e com este surto de Virose sem identificação (Chikungunya) passou a vender ceca de 40 quilos da fruta quase que diariamente e sem falar no aumento da vendagem de coco que dentro de dois dias foram vendidas mais de 100 unidades representando um aumento de quase 65% na venda do produto. Outras frutas também esta vendendo bem conclui o comerciante. Já nas farmácias os campeões de venda são o Paracetamol e o Tylenol que tem como função ser analgésico e antitérmico, os dois são similares e bastante usados para baixar a febre e aliviar dores.

Muitos médicos aconselham os pacientes a tomarem esta medicação, consumirem bastante liquido e não esquecer de repousar bastante, pois ainda não existe uma medicação para acabar com esta doença e a única coisa a ser feita e justamente o repouso, a toma do medicamente seguida de muito liquido a base de sucos naturais e água. Se você é uma das pessoas infectadas pelo vírus procure uma unidade do USF ou o Hospital para que o caso seja registrado e a devida medicação seja passada pelo médico.

Editado hoje às 20 horas: O que esta sendo informado nesta matéria são apenas casos notificados e a Chikungunya mencionada é uma virose que não se sabe identificar e que a mesma pode ser Chikungunya, Zica, Dengue ou até mesmo uma virose sem identificação. Não se deve levar a estudo profundo tudo que aqui foi mencionado, a não ser as entrevistas feitas com pessoas infectadas e aos comerciantes. 

Nenhum comentário

Para comentar neste Blog você deve ter consciência de seus atos, pois tudo que aqui é postado fica registrado em nossos registros. Tenha em mente que seu respeito começa quando você respeita o próximo. Lembre-se que ao entrar aqui você estará em um ambiente bem descontraído e por isso contribua para que ele sempre fique assim. Não esqueça que os comentários são moderados e só iram ao ar depois de uma analise e se passarem por ela iremos publicar, caso não ele será deletado. Para os novos comentários via Disqus ou Facebook a moderação não se faz necesária, já que o nome do usuário fica salvo nos comentários.
Obrigado pela visita e volte sempre.